sábado, 3 de janeiro de 2009

Será que Deus existe mesmo?


A pergunta pode soar insolente, mas parte de um cristão apenas com o intuito de discutir este assunto que nos últimos dias tem recebido muito destaque entre alguns intelectuais. Não são poucos os que instam pessoas ao redor do mundo, principalmente com a ajuda da internet, que fez o mundo encolher, à sair do ármario com seus ceticismos e declarar a plenos pulmões: “Eu não acredito em Deus!!!” Richard Dawkins, por exemplo, em seu insolente livro Deus , um delírio conclama “suas ovelhas”, os ateus de todo o mundo, a levantarem essa bandeira, vociferando em um “ataque brilhante” (nas palavras de um dos seus avaliadores, Johaan Brown), contra os religiosos, mas em especial contra aqueles que acreditam na Bíblia Sagrada, a Palavra de Deus. Ele não é pastor cristão, claro, uso a expressão “suas ovelhas” propositadamente, com o intuito, de insinuar que até os ateus têm seus pastores e que Dawkins é um deles, mesmo não sendo unanimidade entre os ateus. A audácia é tamanha que Dawkins desafia qualquer religioso a ler o livro e não tornar-se ateu.

Para que haja conversão à Deus na terra, pelo evangelho de Jesus Cristo, duas coisas são imprescíndiveis “fé” e “arrependimento”. "Arrependei-vos e crede no evangelho"
foram as primeiras palavras de Cristo ao inaugurar o seu ministério na terra, mas na carta aos romanos Paulo já adianta uma pergunta inquietante: “Como crerão se não há quem pregue?” O problema é que muitos valentes estão caindo no campo, com suas forças minadas frente aos constantes ataques implacáveis contra a fé, por meio daquilo que Paulo chama de "raciocínios que vão contra o conhecimento de Deus." Se existe um tempo propício para se dizer que “letra mata” é em nossa época, mas não me refiro ao estudo de teologia, tal conceito é muito ingênuo.

A coisa está mais séria do que se pensa; se tivéssemos capacidade de averiguar o nível de fé de cada cristão e os estragos que algumas opiniões de homens que se dizem balizados pela razão, tem causado, ficaríamos estarrecidos com o resultado. É quem nem todos expõem suas dúvidas, mas convivem com ela em um labirinto cheio de perguntas. "A fé", diz Paulo, "vem pelo ouvir a Palavra de Deus", mas em contrapartida, devemos ter em mente que a ausência de fé vem da falta de credibilidade a Palavra de Deus. A igreja está sob intenso ataque: querem inibi-la, intimidá-la e paralisá-la a qualquer custo; querem lançar a Bíblia em total descrédito. As investidas vêm de todos os lados, mundo acadêmico, arte, imprenssa, política, etc. “Por ventura quando o filho do homem virer achará fé na terra?”, perguntou Jesus.

A questão da existência de Deus é uma das questões que não devemos menosprezar, mesmo sabendo que para os cristãos genuínos isso não é problema. Só Deus conhece as dúvidas que norteiam os recônditos dos corações e mentes, mesmo entre os fiéis. Lembremos-nos que nem todas as pessoas têm a mesma fé. Em nossos, dias mais do que nunca, a fé vale ouro. Já se deu conta de que quando não existia tanta tecnologia, como o poderoso telescópio Hubble, os satélites, as poderosas naves que vasculham o espaço, as sondas como a que foi enviada a Marte, era mais fácil crer? Desde o dia em que o primeiro astronauta a ir ao espaço, Yuri Gagarin, avistou a terra de fora dela e disse aquela famosa frase: “a terra é azul, mas eu não vi Deus”, a coisa mudou. Agora já não é mais suficiente “imaginar o Eterno” logo ali após o azul da abóbada celeste. Você entende o que quero dizer? Suponho que sim. Hoje o nosso contexto é outro, e nossos desafios são maiores. Deus existe isso é fato, e minha proposta é conclamar a todos os teístas que puderem, exporem evidências que comprovem a existência de Deus. Deus existe? Então prove. Isso será bom para todos.

O que o telescópio Hubble viu?

Alguns ateus, olham para estas imagens e acham que estão certos. Eles até mesmo convidam os crentes à observarem também afim de constatar o que realmente há no universo. Confira. NÃO TEM O GORDINHO DANÇANDO.

http://br.youtube.com/watch?v=DwTTYOH9SEE

Observe que narrador diz que o "telescópio Hubble fixou-se em em um pedaço comum do céu por 10 dias." Se fôssemos ponderar por este ângulo eu tenho certeza que concordaríamos com as palavras abaixo:

" Para asseverar categoricamente a não existência de Deus, o homem se vê obrigado a arrogar-se à sabedoria e à onipresença de Deus. Precisa explorar até aos confins do universo para estar certo de que Deus não está ali. Há de interrogar a todas as gerações da humanidade e todas as hierarquias do céu, para estar certo de que nunca ouviram falar em Deus." (Chalmers. Apud: Dr. Bancroft, em sua obra, Teologia Elementar)

O ateu rejeita o conceito de Deus por não ser capaz de descobri-lo no universo material. Essa mentalidade de que se poderia "ver" Deus por ai no universo, foi que fez Yuri, soltar aquela frase " não vi Deus". Nenhum teléscópio captará o Eterno, em primeiro lugar porque ele é Espírito ( Jo 4:24).

“Não respondas ao tolo segundo a sua estúlticia, para que também não te faças semelhante a ele. Responde ao tolo segundo a sua estultícia, para que não seja ele sábio aos seus próprios olhos.” ( Pv 26: 4,5)
Não respondas ao tolo.Na concepção Divina o ateu é um tolo (Sl 14:2). Ele acha que não, e até ignora tal afirmação porque não acredita em Deus, muito menos nessa afirmação bíblica. Pobres homens iludidos. O que os fazem descer a um nível tão baixo? O nível é mesmo muito baixo uma vez que eles tornam-se piores que os próprios demônios que os iludem. "Crês tú que Deus é um só? Fazes bem. Até os demônios crêem e tremem”(Tg 2:19)

A tolice chega a tal ponto que suas perguntas são ignoradas. Eles querem provas convicentes de que existe um Deus verdadeiramente. Ora, provas é o que não falta. Mas quem pode convencer um tolo? Não estou usando o termo aqui como deboche, não essa minha finalidade. Aliás diga-se de passagem que isso é um dos pontos fortes entre os ateus, eles gostam de ridicularizar os cristãos, quando pegam alguma gafe e taxam eles de pobres ignorantes, quando na verdade, a realidade é exatamente o oposto. Quando uma pessoa torna-se tão cega para o fato Deus e apega-se a isso, como um religioso fanático e cego recusando-se a enxergar as evidências que lhes saltam aos olhos, age com tamanha tolice, que não há argumento que lhes convença, logo, enquadra-se, na primeira parte do texto de provérbios acima, onde somos aconselhados a “não responder ao tolo.”

Um dos objetivos deste tópico, não é desencadear uma série de ataques, como faz Dawkins, em seu livro vociferando contra a fé em Deus. Não estamos aqui querendo criar hostilidades entre ateus e teístas. Meu objetivo é prover algumas “provas consistentes” sobre a existência de Deus, porque, entre outras coisas, pode ajudar a consolidar a fé. Existem muitas, muitas mesmo.

Em meu livro Doutrinas Intrigantes o primeiro capítulo traz o seguinte título Teologia ou teologias?



Nele procuro mostrar ao leitor que, “somos todos teólogos”, até mesmo a ateu.


No excelente livro Não tenho fé suficiente para ser ateu um dos autores, Norman, confirma isso e a ênfase é maior ainda vinda de um homem, Dr. Jastron, que é agnóstico ao dizer: “Existe um tipo de religião na ciência”.


Ora, ninguém tem religião sem fé. Em ultima análise, a tentativa de alguns cientistas ateus em negar a existência de Deus torna-se uma questão de fé. Por que, então, acreditamos em Deus? Um dos livros que vou tomar por base, é o livro acima citado Não tenho fé suficiente para se ateu, porque nele encontramos o fato de que existem mais provas que comprovam a existência de Deus do que para negar isso. Ou seja, é preciso ter menos fé para crer em Deus do que para negar a sua existência.

Responde ao tolo. Mas há um momento na vida do tolo em que ele merece uma resposta a altura, é quando ele com genuína sinceridade, deseja saber a verdade sobre o Eterno. Ainda cético ele pensa: não acredito em Deus, mas se alguém realmente me mostrar uma prova convincente, com humildade mudarei o meu conceito. Esse é um tolo quase sábio na questão aqui proposta, pois o princípio de sabedoria é o temor a Deus. Merece uma resposta para que “a base da sua argumentação para a fundamentação do seu ceticísmo, não o faça parecer ser sábio aos seus próprios olhos.

A irritação de Einstein

Einstein se irritou porque a sua teoria da relatividade provou algo que ele não queria: o universo não é eterno e nem estático

Em 1919, Arthur Eddington provou a veracidade da teoria da relatividade quando conduziu um experimento durante um eclipse solar. O universo não é estático, mas teve um começo. Ele ( Arthur) também não gostou do que soube. Eistein era panteísta, mas acreditava em um Deus teísta, pelo menos é o que se deduz dos seus comentários quando admite que a criação e o pensamento estavam mais para a descrição de um Deus teísta ( Não tenho fé suficiente para ser ateu, P. 73)

O que interessa, no entanto, não são as reações de Einstein, mas o fato de que por mais irritante que tenha sido para ele, a sua teoria da relatividade tornou-se hoje, como uma das mais fortes evidências de comprovação de um Deus teísta.

Argumentando: O ARGUMENTO COSMOLÓGICO

1. Tudo o que teve um começo teve uma causa.
2. O Universo teve um começo.
3. Portanto, o Universo teve uma causa.

A palavra cosmológico vem da palavra grega cosmos e significa mundo ou Universo. O argumento cosmológico é o argumento do início do universo. Se o universo teve um início, então teve uma causa.

Esse argumento é logicamente válido? Suas premissas são verdadeiras? Sim.

Foi dito acima que "telescópio Hubble fixou-se em em um pedaço comum do céu por 10 dias.". Aos que esperavam encontar Deus no universo deixei as palavras de Chalmer:
" Para asseverar categoricamente a não existência de Deus, o homem se vê obrigado a arrogar-se à sabedoria e à onipresença de Deus. Precisa explorar até aos confins do universo para estar certo de que Deus não está ali. Há de interrogar a todas as gerações da humanidade e todas as hierarquias do céu, para estar certo de que nunca ouviram falar em Deus."


Ou seja, ainda que o poderoso Hubble tenha vasculhado com profundidade uma certa parte do Universo, se Deus estivesse em algum lugar do universo, ainda assim as visões de Hubble, não provaria sua inexistência, porque teria que ser capaz de olhar em todas as direções ao mesmo tempo, isso em se tratando apenas do espaço.

Mas Deus é espírito e não matéria, logo, ainda que fosse possível tal façanha, isso não comprovaria a inexistência de Deus e é aqui que entra o argumento cosmológico, porque se Deus não está no Universo, evidentemente só pode estar fora dele. Quando pergunto aos ateus se eles sabem da possibilidade da existência de algo que esteja fora do universo a resposta geralmente é não sabemos.

O argumento cosmológico prova que Deus está fora do Universo, porque é a causa do Universo, ele Criou o universo.

Na falta de tempo para procurar um vídeo melhor achei o vídeo abaixo mostrando o final do Filme Homens de preto. Claro, Nem de longe estou insinuando que o que pega a bolinha com o Universo seja Deus, um Querumbim, ou um Serafim. Mas teremos uma pálida idéia em imagens do que temos em mente quando dizemos que Deus está fora do Universo.

http://br.youtube.com/watch?v=LyzIau5dBao&feature=related

Se alguém quiser entender melhor sobre a 2ª lei da termodinâmica ou sobre a "entropia" basta assistir a vídeo aula abaixo. A segunda lei é explicada depois da 1ª uns quatro minutos depois de começar o vídeo.

http://br.youtube.com/watch?v=NCHVfdnlKfU&feature=related

Se o universo tem uma causa ( um começo) a pergunta é: Quem causou o universo? Isso irritou muita gente porque o espaço e o tempo só passaram a existir depois que o universo foi criado, antes disso não tinha como, a causa tem que ser eterna, tem que ter existido fora do tempo.

Antes de responder vamos ponderar mais sobre alguns pontos que provam que o universo teve um começo.

Todo o universo na cabeça de um alfinete?

Sim, pense nisso! Seria possivel?

Foi isso o que aprendemos naquela famosa série poeira nas estrelas, no 6º vídeo da série. Quando a teoria geral da relatividade de Einstein foi publicada em 1917, ela era apenas um conceito e ninguém sabia como testá-la. Mas no mesmo ano o maior telescópio do mundo estava finalmente pronto para ser usado em observações. Doze anos mais tarde, em 1929, o astrônomo Edwin Hubble ( que emprestou o nome ao atual Telescópio Hubble) foi capaz de provar que a teoria de Einstein estava realmente correta.

O que o telescópio mostrou foi que todas as outras galáxias no universo estavam se distanciando de nós. A partir destas observações nasceu a teoria do Big Bang. Os cientistas sabiam que, de acordo com a lei da inércia, essas galáxias tinham que ter sido postas neste tipo de movimento por alguma força externa. E já que as galáxias estavam se movendo de uma forma semelhante aos resultados da explosão de uma bomba, surgiu a teoria de que o universo veio a existir como resultado de uma enorme explosão. Mas uma coisa ficou clara e inquestionável: O universo teve um início.



O 6º vídeo da série
http://br.youtube.com/watch?v=s4i-Am7PjiM&feature=related






Um comentário:

31193200 disse...

Infelizmente, este é um assunto sobre o qual as pessoas se recusam a falar e até a pensar. Elas têm medo, horror mesmo do desconhecido. Por isso, preferem acreditar em tudo que os sabichões religiosos dizem. Eu mesmo fui vítima deste “medo” ao encarar a realidade cósmica. Primeiro, porque fui criado praticamente dentro de uma igreja católica que prega não somente a existência de um Deus-Pai como de anjo da guarda. Este estaria sempre perto de mim para que nada de mal me acontecesse, desde que eu seguisse as regras. E eu segui...

Acontece que as coisas não foram bem assim. Pelo contrário, uma sucessão de desamores e desenganos marcaram minha adolescência, enquanto via colegas se dando bem na vida, inclusive financeiramente. Eu era um rapaz bem comportado, estudioso, batalhava na vida e mesmo assim o Deus-Pai não dava a mínima para mim. Buscando explicação dentro da própria religião, os sabichões me diziam que meu sofrimento era por que Deus queria me testar, ver se eu era um bom filho e que um dia a coisa iria melhorar. Mas o tempo foi passando, passando e ela realmente... piorou. Esta é a desculpa que eles têm par justificar a miséria humana. Insatisfeito e angustiado com aquela situação, comecei a perscrutar a natureza do Universo até que abri meus Chakaras e as experiências espirituais começaram a acontecer. Foi uma catarse dolorosa pela qual meu corpo passou. Fui anotando tudo e as conclusões deram origem a um livro de tiragem doméstica, impresso em offset com o nome de O Universo Como Ele Realmente É. Naquela época ainda pensava numa consciência infinita, uma absurdo, pois como pode um ser não conhecer sua própria dimensão? Foi aí que percebi a diferença entre Inteligência Infinita e Consciência Infinita. O Universo é Energia Infinita, regida por uma linguagem matemática, portanto Inteligente, mas não consciente. O resultado final foi a transformação daquele acanhado livro para O MITO DO DEUS PAI publicado pela Editora Biblioteca 24X7 que definitivamente discute o UNIVERSO INTELIGENTE, senhor de sua própria criação, mas não consciente. Ele traz mais de 100 referências de filósofos e cientistas. Entretanto, este não é um livro materialista, pois mostra que somos quantidades ínfimas de energia gerada pela vibração da Inteligência Infinita até adquirimos consciência através das sucessivas reencarnações em corpos materiais até evoluirmos para Seres Superiores (Espíritos de Luz).

Pedro Cabral Cavalcanti –
pcabralcavalcanti@gmail.com