segunda-feira, 7 de novembro de 2011

"NVI" OU "ERC" ? A hora da verdade.












Minha intenção não é ridicularizar a ERC, mas mostrar ao leitor que busca saber dos fatos com honestidade, que a NVI é uma boa tradução e isso não é por acaso, como você mesmo constatará. Ela ajuda e muito o leitor, principalmente o leigo, e isso é algo positivo que pesa em favor dela, porque comunica de forma eficiente a verdade dentro das Escrituras Sagradas, diminuindo consideravelmente as enormes dificuldades na compreensão do texto quando lido de forma tanto devocional, como investigativa. Irei rapidamente citar algumas poucas passagens nas versões NVI e na ERC e você mesmo poderá tirar as suas conclusões;antes porém, é digno de nota uma característa interessante e exclusiva da ERC.

O leitor deve observar que nas passagens da ERC é comum encontrarmos palavras em itálico (aquelas escritas inclinadas com estas que você está vendo agora).

Qual a finalidade disso?
“O emprego do itálico na versão Almeida Cor. Serve justamente para transmitir ao leitor aquilo que não estava explícito no texto original, e que foi necessário tornar explícito em português. Assim, em MT 1.6 lemos ‘...Jessé gerou ao rei Davi, e o rei Davi gerou a Salomão da que foi mulher de Urias.
(Jhon Beekman e Jhon Callow- A Arte de interpretar e Comunicar a Palavra Escrita, P. 41, 42).

Observe que a expressão “que foi a mulher”, está em itálico. As outras versões de João Ferreira de Almeida que vieram depois da ERC abandonaram o uso do itálico. Entretanto, é possível encontrar o itálico em outras versões como a BJ (Bíblia de Jerusalém), mas não tem a mesma finalidade que na ERC. Na BJ, o itálico é usado para informar ao leitor que tal passagem, foi extraída de outra parte da Bíblia Sagrada, nada mais.

Voltemos ao assunto proposto neste tópico que trata da comparação entre a NVI e a ERC. Vamos aos textos para a análise:

TEXTO: Gn 4:7.
ERC:Se bem fizeres, não haverá aceitação para ti? E, se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e para ti será o seu desejo, e sobre ele dominarás”.

Alguns leitores nem ao menos sabem o que quer dizer a palavra “jaz”, outros podem não compreender o que quer dizer, “e para ti será o seu desejo, e sobre ele dominarás” Um problema que não existe na NVI, pois, possibilita uma compreensão imediata do texto, veja:

NVI: "Se você fizer o bem, não será aceito? Mas se não o fizer, saiba que o pecado o ameaça à porta; ele deseja conquistá-lo, mas você deve dominá-lo".


TEXTO: Jz 19:2.
ERC:Porém a sua concubina adulterou contra ele, e foi dele para casa de seu pai, a Belém de Judá, e esteve ali alguns dias, a saber, quatro meses.”

Leia a continuação desta história que infelizmente terá um desfecho trágico (Capítulos 19 e 20), mas que não tem nada a ver com a inocente mulher. O que aconteceu então? Ela não adulterou, isto é, não traiu aquele homem que a havia tomado para si (v.1), o que significa que a tradução da ERC está totalmente errada e pode facilmente induzir o leitor a presumir que ela na verdade adulterou. Veja o mesmo texto na NVI:

NVI:Mas ela lhe foi infiel. Deixou-o e voltou para a casa do seu pai, em Belém de Judá. Quatro meses depois...


Confira a definição das duas palavras
ADULTERAR: Mulher que viola a fé conjugal.
INFIEL: Não fiel; pérfido; traiçoeiro; desleal; pessoa infiel; pagão; gentio.
(Dicionário Brasileiro Globo)

Verifique qual seria o tratamento adequado segunda a lei do AT
Sendo este o 7º mandamento do decálogo (Ex 20:14), sendo a punição por este pecado, segundo a Lei do AT, a morte ( Lv 20:10), ela não seria levada de volta para casa, antes, morreria. A óbvia conclusão aqui é de que NVI está com a tradução correta.

TEXTO: Lc 1: 1-3.
ERC:
TENDO pois muitos empreendido pôr em ordem a narração dos fatos que entre nós se cumpriram, segundo nos transmitiram os mesmos que os presenciaram desde o princípio, e foram ministros da palavra, pareceu-me também a mim conveniente descrevê-los a ti, ó excelente Teófilo, por sua ordem, havendo-me já informado minuciosamente de tudo desde o princípio

Note que a expressão “por sua ordem” pode fazer com que o leitor pense que Teófilo foi quem deu uma ordem para que Lucas preparasse um relato da vida de Jesus, mas na NVI o leitor se beneficiará porque tal possibilidade de erro não existe. Na NVI fica claro que, o que Lucas está mesmo dizendo, é que ele mesmo decidiu escrever um relato ordenado dos fatos sobre a vida de Jesus.

NVI:Muitos já se dedicaram a elaborar um relato dos fatos que se cumpriram entre nós, conforme nos foram transmitidos por aqueles que desde o início foram testemunhas oculares e servos da palavra. Eu mesmo investiguei tudo cuidadosamente, desde o começo, e decidi escrever-te um relato ordenado, ó excelentíssimo Teófilo,

TEXTO: João 14: 3
ERC:E, se eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também”.

Neste versículo as duas versões são bem parecidas, mesmo assim a pontuação colocada na ERC entre a expressão “se eu for” dá uma ênfase maior a dúvida. Na NVI não existe as vírgulas supramencionadas o que ameniza a dúvida na expressão. Um leitor mal intencionado poderia, com este versículo segundo a tradução da ERC, por exemplo alegar que, se nem mesmo Jesus sabia se iria ou não prepara um lugar na casa do Pai, como nós podemos ter tenta certeza que iremos para o céu? Bem, sabemos que não é uma pergunta honesta, mas o versículo principalmente como está na ERC, permite tal possibilidade.

NVI:E se eu for e lhes preparar lugar, voltarei e os levarei para mim, para que vocês estejam onde eu estiver”.

Entretanto, neste caso versões como a ARA ou a NTLH deixam claro que não há duvida nenhuma nas palavras de Cristo, trata-se de uma questão de tempo, veja:

ARA:E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei b e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também.

NTLH: “E, depois que eu for e preparar um lugar para vocês, voltarei e os levarei comigo para que onde eu estiver vocês estejam também”.


TEXTO: Hb 7:8:
ERC:E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem, ali, porém, aquele de quem se testifica que vive”.

Quando eu digo que a ERC possibilita muitas interpretações (intencionais?) equivocadas, não estou exagerando. Existem homens com boa cultura bíblica que querem insistir em certas interpretações duvidosas, que acabam nos deixando com a pulga atrás da orelha, com aquela pergunta: por que? Será que eles não sabem disso? Se sabem, porque nada dizem a respeito? Um pequeno livro de uma famosa denominação neo-pentecostal contendo perguntas e respostas sobre o dízimo tece o seguinte comentário sobre o texto de hebreus 7:8: “Certamente, pois os apóstolos não deixariam de observar as recomendações do Senhor contidas nos versículos citados anteriormente” Os versículos citados anteriormente são: Lc11:42;MT 23:23; Gn 14; Gn 28:22b; Ml3:10ª, os quais o pastor e autor do livrinho, presume ter feito uma interpretação acertada em favor da doutrina do dízimo, como é ensinado tradicionalmente em muitas igrejas. Em meu livro acima citado, dedico 5 capítulos para abordar o assunto com a devida propriedade, passando pra todas as passagens citadas cima. O tópico não trata sobre isso, logo vou me ater apenas ao texto de Hb 7:8. Continuando, diz o livrinho: “Há uma informação precisa em Hebreus 7.8, por meio da qual temos a certeza de que o dízimo era uma prática comum naquele tempo

Coitado do leitor que não tiver boas noções de interpretação e versões diferentes da Bíblia para vasculhar o assunto com cautela, se tornará facilmente manipulado, presa fácil diante desta interpretação claramente falsa e enganosa!


Há quem ensine, baseado apenas neste versículo, que o dízimo era observado pela igreja primitiva. Se fosse verdadeiro tal ensino, eu não teria porque refutá-lo, até porquê, não teria como; preferiria, a bem da verdade, usá-lo de forma devida argumentando sobre “razões legítima para se dizimar”. Há pelo menos duas formas de o leitor entender o que está dizendo o escritor da carta aos hebreus, sem correr o risco de errar na interpretação:[...] A outra forma é utilizando uma versão mais atualizada em
português como as que eu vou citar abaixo:

“ Melquizedeque, rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo, encontrou-se com Abraão quando este  voltava, depois de derrotar os reis, e o abençoou; e Abraão lhe deu o dízimo de tudo. Em primeiro lugar, seu nome significa 'rei de Justiça';depois, 'rei de Salém' que quer dizer 'rei da Paz'. Sem pai, sem mãe, sem genealogia, sem princípio de dias nem fim de vida, feito semelhante ao Filho de Deus, ele permanece sacerdote para sempre. A lei requer dos sacerdotes dentre os descendentes de Levi que recebam o dízimo do povo, isto é, dos seus irmãos, embora antes sejam descendentes de Abraão. Este homem, Porém, que não pertencia a linhagem de Levi, recebeu os dízimos de Abraão e abençoou aquele que tinha as promessas. No primeiro caso, quem recebe o dízimo são homens mortais; no outro caso é aquele de quem se declara que vive" (Hb.7:1- 3,5,6,8 Na versão NVI ).”

(Domingos P. Santos. Livro: Doutrinas Intrigantes, Págs 139,140- editado pelo próprio autor)

Claro que o texto acima está simplesmente dizendo que Melquizedeque (de quem se testifica que vive) recebeu o dízimo de Abraão, e que depois dele os levitas (homens mortais) era quem recebiam dízimos, conforme a lei. Em nenhum momento passa a idéia de que o escritor afirma que o dízimo era uma prática comum nos primeiros anos da igreja.

Na opinião do pastor Russel Shedd, não há no Novo Testamento e nem na história da igreja, evidências de que os cristãos pagavam o dízimo, antes do século IV d.C. Ele afirma que as igrejas
eram encorajadas a dar de acordo com a maneira que Deus as prosperava, conforme 1Co 16:1-2. E defende ainda: “O que damos deve ser com alegria, e não por obrigação legalista.”

O Dr. R.N Champlim diz: “É evidente que Jesus reconhecia a natureza obrigatória dos dízimos, no caso da nação de Israel, mas está longe de ser claro que isso envolvia até mesmo a igreja cristã.”

O Dr. Colim Brow diz: “Jesus menciona escribas e fariseus que dão o dízimo (Mt.23:23; Lc.11:42; 18:12), mas nunca mandou que seus discípulos dessem o dízimo.”

A enciclopédia Barsa, uma das mais conceituadas do mundo, também conhecida como Enciclopédia Britânica relata o seguinte: Nos primórdios do cristianismo não havia dízimo, mas doações
voluntárias com fins caritativos denominados oblações. No século VI, com o desmoronamento do sistema de cobrança de imposto do império romano do ocidente, a igreja transformou as oblações em dízimos.
(Domingos P. Santos. Livro: Doutrinas Intrigantes, P. 96- editado pelo próprio autor).


TEXTO: 1Jo 3:6.
Qualquer que permanece nele não peca; qualquer que peca não o viu nem o conheceu”.

Ainda neste capítulo: “Quem comete o pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o princípio”. (1 Jo 3:8a).

Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; porque a sua semente permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus”. (1Jo 3:9).

Será que João está mesmo comunicando a idéia de que quem é crente não pode cometer nehum pecado?

Uma leitura na ERC pode levar a esta conclusão facilmente, por causa do literalismo da tradução (não é tradução errada), ou o leitor desavisado pode achar que se trata de um erro, ou por parte de João, ou do tradutor, porque no capítulo 1 João já havia dito : “Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós.” “Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós”. (1Jo 1:8,10).

Mas este é um problema que não existe na NVI, veja:

Todo aquele que nele permanece não está no pecado. Todo aquele que está no pecado não o viu nem o conheceu”. (1Jo 3:6)


Aquele que pratica o pecado é do Diabo, porque o Diabo vem pecando desde o princípio”. (1 Jo 3:8a).

"Todo aquele que é nascido de Deus não pratica o pecado, porque a semente de Deus permanece nele; ele não pode estar no pecado , porque é nascido de Deus”. (1Jo 3:9).

O leitor, facilmente compreenderá que, mesmo tendo consciência que é pecador e ainda peca, embora sendo cristão (1Jo 1:8,10), e que ao acontecer isso pode obter socorro por meio de Cristo Jesus (1 Jo 2:1,2), não pode, todavia fazer do pecado uma prática, isso já incorre em uma atuação influenciada pelo mal (1Jo 3: 6,8,9).

-->A NVI, portanto, não merece as críticas infundadas e maldosas que desferiram contra ela, conforme eu já citei. Não é justo nem compará-la com a TNM, nem desmerecê-la, colocando em um nível de total reprovação, porque não há espaço para isso. Vou me deter por aqui, mas se preciso for, continuarei, mesmo acreditando que as pessoas sinceras compreenderão o que eu disse.




7 comentários:

Ayanne Alves disse...

Esse seu trabalho é uma benção!
é um prezer te-lo como amigo no meu blog!
Deus continue nos abençoando!

Teologia ortodoxa disse...

Obrigado Ayanne!
Deus abençoe a nós que procuramos se reservas a verdade sem rodeios.

Marcello de Oliveira disse...

SHALOM!

1. Amado irmão, parabéns pelo blog, e pelas postagens que tenho certeza, tem edificado e instruído muitas vidas.

2. Que o Eterno continue lhe agraciando e dando-lhe sabedoria para expor a Palavra como ela é.

abraços, Pr Marcello

P.s > visite:

http://davarelohim.blogspot.com/ - e veja o texto:

RESSURREIÇÃO: A MORTE DA MORTE

Teologia ortodoxa disse...

Obrigado Marcelo, Deus o abençoe grandemente. Verei o seu blog sim.

Shalom.

Richard Rossini Atanes disse...

Prezados Amigos

Sou leitor de vossos blogs. Mas desta vez venho aqui para lhe avisar
que recebi uma honraria de um colega blogueiro. Ele me concedeu o selo
“Melhores Blogs da Cristadade”, cujo mérito eu credito a Deus e aos
internautas como você – fonte de edificação espiritual.

Como regra, para fazer juz ao selo é necessário repassá-lo. Indiquei
seu blog para tomar parte desta grata situação.


Por favor, venha ao meu blog e leia sobre os passos que precisam ser
dados para tornar válida esta indicação.

Toda honra e glória seja ao Senhor!

Richard Rossini Atanes
http://salvacaoaoalcancedetodos.blogspot.com/

Newton Carpintero, pr. disse...

Prezamado, Qual o seu nome?

A Paz do Senhor!

Realmente, o que faz falta, é pensar e repensar, com a ajuda do Espírito Santo, que confirma certas situações, destas Editoras que querem promover suas definições com base na ignorância e colaboração interessada.

A igreja precisa tomar cuidado, com o que já está em evidência e o que está por vir.

Orar e Vigiar!

O Senhor seja contigo!

pr. Newton Carpintero
www.pastornewton.com

Teologia ortodoxa disse...

caro Newton Carpintero,

Meu nome é Domingos, sou autor do livro Doutrinas Intrigantes, citado neste blog.

Paz.