sexta-feira, 2 de maio de 2014


                                                                



JESUS É LÚCIFER!


Se tem um nome que causa arrepio em muita gente só de ouvir falar é "Lúcifer". Há quem se recuse a pronunciá-lo por achar que está invocando o "príncipe das trevas". O fato é que muitos filmes e livros falam de Lúcifer, como se ele fosse de fato o próprio Satanás, mas, e se tudo estiver errado? E se a partir de agora você descobrisse que Jesus é Lúcifer, e não o Diabo? Eu sei que parece muito estranho alguém fazer uma afirmação dessas mas eu não sou o responsável por isso, como você verá.

Mas a verdade é única e tal afirmação de fato encontra-se nas páginas da Bíblia Sagrada no NT, só que poucos sabem disso. Para a vergonha de muitos, existem satanistas, ateus, ocultistas etc, que estudam mais a Bíblia os que carregam ela debaixo do braço todos os dias. Fiquei surpreso quando descobri que este assunto já é debatido entre eles. A principal diferença, porém, é que eles interpretam de uma forma absurda enquanto que aqui procuro apresentar o real significado do texto em relação a Cristo. Então, em vez de ficarmos comentando sobre algo que não sabemos acho que o mais inteligente é se informar corretamente a respeito, não acha?

Origem da palavra
Se você procurar a definição desta palavra em dicionários da língua portuguesa, por exemplo, acabará achando que ela é mesmo o nome do diabo porque sempre é atribuída a ele, mas existe uma explicação para isso, e você descobrirá nesse capítulo. A palavra Lúcifer significa “o portador da luz”, cuja origem vem do latim pela combinação de duas palavras: lux ou lucis com o significado de “luz” e ferre com o significado de “carregar”. Ele é aquele que traz a luz onde ela se faz necessária.

Lúcifer no AT
A quem se referem os textos a baixo?

"Como você caiu dos céus, ó estrela da manhã, filho da alvorada! Como foi atirado à terra, você, que derrubava as nações! Você, que dizia no seu coração: 'Subirei aos céus; erguerei o meu trono acima das estrelas de Deus; eu me assentarei no monte da assembleia, no ponto mais elevado do monte santo. Subirei mais alto que as mais altas nuvens; serei como o Altíssimo'. Mas às profundezas do Sheol você será levado, irá ao fundo do abismo!" (Is14:12-15).

Alguns veem nesta passagem a origem do mal, o relato da queda espiritual de Lúcifer, conjugando tal passagem com a de Ezequiel 28: 13-17. Porém, outros entendem que o profeta Isaías refere-se apenas ao personagem histórico, rei da Babilônia, o qual personifica todo o seu império. Na teologia tal assunto é estudado na matéria de angelologia. Quero, contudo, fazer algumas observações sobre o texto de Isaías.

O texto de Exequel não é o que estamos focando, mas vou colocá-lo abaixo apenas para comparação, caso você não o conheça ainda:

“Você estava no Éden, no jardim de Deus; todas as pedras preciosas o enfeitavam: sárdio, topázio e diamante, berilo, ônix e jaspe, safira, carbúnculo e esmeralda. Seus engastes e guarnições eram feitos de ouro; tudo foi preparado no dia em que você foi criado. Você foi ungido como um querubim guardião, pois para isso eu o designei. Você estava no monte santo de Deus e caminhava entre as pedras fulgurantes. Você era inculpável em seus caminhos desde o dia em que foi criado até que se achou maldade em você. Por meio do seu amplo comércio, você encheu-se de violência e pecou. Por isso eu o lancei, humilhado, para longe do monte de Deus, e o expulsei, ó querubim guardião, do meio das pedras fulgurantes. Seu coração tornou-se orgulhoso por causa da sua beleza, e você corrompeu a sua sabedoria por causa do seu esplendor. Por isso eu o atirei à terra; fiz de você um espetáculo para os reis (Ez 28:13-17).



1. A expressão “estrela da manhã”
A "estrela da manhã" aqui se refere ao planeta Vênus. Em nossos dias, com o avanço do conhecimento na astronomia, sabemos que o planeta terra em sua órbita, situa-se entre dois dos oito planetas do nosso sistema solar, a saber, Vênus e Marte. Vênus é o planeta mais próximo da terra, situado a uma distância de aproximadamente 41 milhões de Km, enquanto Marte está a cerca de 56 milhões de Km. O brilho de Vênus anuncia o aparecimento do Sol. No versículo 12, o rei da Babilônia está sendo comparado ao planeta Vênus, devido a expressão "estrela da manhã", usada pelo profeta Isaías. O Planeta Vênus aparece pela manhã no firmamento pouco antes do Sol nascer e, conforme a terra gira, ele eleva-se para o céu até que o seu brilho seja ofuscado pelos raios do Sol. Aliás, o Sol e a Lua são os únicos astros cujo brilho ultrapassam o brilho da estrela da manhã.

A Bíblia de Estudos de Genebra traz o seguinte comentário sobre esta passagem:

"No mundo antigo as observações sobre este ciclo astronômico deram origem a diversos mitos. A Babilônia parece ter pensado sobre si mesma como o cumprimento desse destino celestial, tornando-se um império eterno e universal, mas diante do aparecimento de Deus ( v22), a luz da Babilônia se extinguirá."

A expressão "estrela da manhã", em nossas Bíblias, é a tradução da palavra hebraica הילל (Heylel). Na septuaginta,  a palavra grega utilizada é ἑωσφόρος (Heosfóros). Na profecia poética de Isaías, a expressão "estrela da manhã" também é um nome poético usado por ele para designar que tipo de pessoa era o rei da Babilônia.

2. O monte da congregação ou "monte da assembléia"

"eu me assentarei no monte da assembleia, no ponto mais elevado do monte santo." Isaías 14:12


A linguagem usada por Isaías descreve o rei da Babilônia como alguém presunçoso e atrevido. Na mitologia dos tempos de Isaías, os gentios acreditavam que ao norte havia um monte onde habitavam os deuses, é a aquele suposto monte que Isaías se refere ao falar sobre o espírito de grandeza do rei da Babilônia, o qual está representando todo o império babilônico. Isaías fala em termos do que os pagãos (não ele), acreditavam.


Assim, o rei da Babilônia que tinha a intenção de ser o único soberano do mundo, iria para o fundo derrotado e humilhado, a tal ponto, que até mesmo os sobreviventes subjulgados pelo outro império (os Medos), seriam dizimados e nunca mais exerceriam o poder político. Derrotado e humilhado o império babilônico é descrito por Isaías como um cadáver que apodrece na sepultura, atacado de bichos, e a sua alma é lançada no Sheol (o mesmo que inferno para nós), onde será sua nova morada. Ali, os mortos de civilizações anteriores, acompanham a chegada do, agora, colega de habitação com vaias e gritos, ou seja, da mesma forma como a Babilônia subjugou as nações, também foi subjugada perdendo o seu poderio. Então, os povos das outras nações que ela abateu, agora zombam dela que está na mesma situação daqueles que foram seus subordinados. Eles sarcasticamente chamam a Babilônia de Heylel "estrela da manhã", isto é, como o brilho da estrela da manhã é temporário, da mesma forma foi o poder do império babilônico.

A Vulgata deu margem à ideia de que Lúcifer é o nome do Diabo

A partir daqui você vai entender porque as pessoas aprenderam que a palavra Lúcifer é o nome do diabo. Quem estudou a história da Bíblia ou a historia da igreja cristã, certamente tomou conhecimento de uma tradução da Bíblia feita por Jerônimo no século IV d.C., a qual é conhecida como VULGATA. Jerônimo traduziu do hebraico para o latim, língua dominante da época dele no império romano.

Na passagem em pauta, ele não colocou a palavra hebraica “Hêlêl” na Vulgata, como fez com os nomes Gabriel, cujo significado é “homem de Deus ou Deus forte” ou Miguel, cujo significado é “o que é semelhante a Deus”. Em vez disso, ele utilizou outra palavra, “Lúcifer”. Quando a Bíblia Sagrada foi traduzida para o português, os tradutores não quiseram também preservar a forma hebraica “Heylel”, como fizeram com os nomes Miguel e Gabriel, antes, eles preferiram traduzir o significado do nome, e é por isso que nós lemos em Isaías 14;12 o título “estrela da manhã”. Os tradutores poderiam por exemplo traduzir assim: “Como caíste do céu, ò Heylel...”

Possivelmente não fizeram isso por uma questão de interpretação, isto é, por não entenderem que “Heylel” fosse o nome próprio do querubim ungido, antes de se rebelar contra Deus, como Gabriel e Miguel que são de fato nomes de anjos; isso certamente levaria as pessoas a acharem que o nome pessoal do Diabo era Heylel ou que ainda é Heylel, que em latim é Lúcifer e como a língua portuguesa herdou muitas palavras do latim Lúcifer, é uma delas que utilizamos como se fosse o nome do Diabo por causa da Vulgata. Seja como for, não falta quem entenda por essa ótica (que Heylel é o nome do Diabo), como é o caso do escritor Dr.Francisco, autor do livro Angelologia. A palavra Lúcifer, portanto, não pertence ao texto original,  logo não aparece também em nossas versões, é produto da versão de Jerônimo, como já sabemos, ela inevitavelmente passou a ser atribuída ao Diabo antes da sua rebelião contra o Criador e também depois dela, de forma que, hoje, Lúcifer é o nome do Diabo, para muitos.

Mas isso só ocorreu depois do surgimento da VULGATA. Veja no texto a baixo em latim, extraído da Vulgata de Jerônimo, onde aparece exatamente a palavra "lúcifer": "quomodo cecidisti de caelo Lucifer qui mane oriebaris corruisti in terram qui vulnerabas gentes".

Observe que a palavra "Lúcifer", em destaque pelo autor, aparece no texto em latim, conforme está na Vulgata Latina. Você terá facilidade para identificar a palavra "lúcifer" mesmo não sabendo o latim, principalmente porque é uma palavra comum para nós.

Devo dizer, porém, que há uma versão americana, em que a palavra "Lúcifer" foi preservada nesse texto conforme está na Vulgata Latina, ou seja, a palavra não foi traduzida por "estrela da manhã", como acontece nas outras versões. Observe que a palavra 'lúcifer" está lá: "How art thou fallen from heaven, O Lucifer, son of the morning! art thou cut down to the ground, which didst weaken the nations!" (KJV= Versão do Rei Tiago. Is. 14:12 – Destaque do autor). Na versão católica espanhola temos a palavra "lucero" que tem o mesmo significado de estrela da manhã.

Você pode também não saber ler em inglês, mas perceberá claramente, que a palavra Lúcifer encontra-se de fato no texto. Você deve ter percebido que cada língua possui palavras diferentes, mas com o mesmo significado, por exemplo, Jesus e Josué significam a mesma coisa (O Senhor é a salvação), porém, Jesus é uma palavra grega e Josué é uma palavra hebraica. O mesmo ocorre com as palavras Lúcifer (latim), (Heosfóros - grego) e (Heylel - hebraico). Estas três palavras, embora sejam de línguas diferentes, possuem o mesmo significado, a saber “o brilhante” ou “ O portador de luz”. Mas qual é a relação dessa palavra com Jesus, afinal? É o que vamos ver a seguir.

Lúcifer no NT

Em que lugar Jesus é chamado de Lúcifer no Novo testamento? 

Lúcifer é um nome que não aparece em nossas Bíblias protestantes, pelo menos não nas que eu pesquisei. No lugar da palavra "lucifer" temos a expressão "estrela da manhã” ou "estrela d´álva".  O AT foi escrito em hebraico, enquanto o NT foi escrito em grego. No grego do NT temos uma palavra muito parecida com a palavra (Heosfóros) de Isaías 14:12, a qual aparece na septuaginta, é a palavra φωσφόρος ou Fosforós.

A definição da palavra grega Fosfóros, leva ao mesmo significado da palavra latina Lúcifer, vejamos: = fós, que significa luz e = foros, que significa transportador. Portanto, as palavras gregas ἑωσφόρος de Isaías 14:12, e φωσφόρος de 2 Pedro 1:19 possuem o mesmo significado, você mesmo pode checar em algum dicionário grego, mas a própria tradução da vulgata já prova isso, traduizindo as mesmas palavras como "lúcifer", e pasme você ao descobrir como ela é traduzida em nossas Bíblias e a quem se refere, vejamos:

“Assim, temos ainda mais firme a palavra dos profetas, e vocês farão bem se a ela prestarem atenção, como a uma candeia que brilha em lugar escuro, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça no coração de vocês” (2 Pe 1:19- Destaque do autor).

Note que a expressão "estrela da alva", em destaque, aparece exatamente aqui como a tradução da palavra grega “Phosfóros”. "Estrela da alva" é o mesmo que "estrela da manhã", inclusive as versões NTLH e VFL, traduzem (Phosphorós em 2 Pe 1:19), exatamente por "estrela da manhã". Da mesma forma a palavra Phosforós é traduzida por “Estrela da Manhã” por David H. Stern, cristão Judeu que detém o título de mestre em Divindade em sua obra Novo Testamento Judaico, lançado pela Editora Vida. Trata-se de mais uma boa versão do Novo testamento. Não há o que se contestar aqui.

A quem Pedro se refere nesta passagem? 

É fácil de saber que Pedro está se referindo a Jesus, o qual conheceu e com o qual andou por 3 anos!

Para que você não fique com dúvidas no tocante a isso, vamos conferir o mesmo texto utilizando a VULGATA de Jerônimo:

“et habemus firmiorem propheticum sermonem cui bene facitis adtendentes quasi lucernae lucenti in caliginoso loco donec dies inlucescat et lucifer oriatur in cordibus vestris”.

Jesus está sendo chamado de Lúcifer, em latim pelo tradutor Jerônimo. Note onde está em destaque, que realmente a palavra “lúcifer” aparece no texto de 2 Pe1:19 na VULGATA. Então, conforme o texto declara claramente, Jesus realmente é chamado de Lúcifer.

Confira novamente a ocorrência da mesma palavra nas línguas hebraica, grega e latina.

No AT em Hebraico: = Heylel é traduzida por Estrela da Manhã (Is. 14:12).

No AT em grego (Septuaginta): = Eosfóros é traduzida por Estrela da manhã (Is 14:12).

No NT em Grego: Fosfóros = Estrela da Manhã ( 2Pe1:19).

Em latim, na Vulgata, Lúcifer (Estrela da Manhã) é encontrada duas vezes, a saber, em Is 14:12, referindo-se não a Jesus, mas ao anjo que antes era “o modelo da perfeição” (Ez 28:11), e em 2 Pe 1:19, referindo-se a Jesus, o Messias, a estrela procedente de Jacó, conforme a profecia.

Percebeu? A vulgata, portanto, foi quem criou esse mito de que lúcifer, seria o nome do diabo, o arqui-inimigo de Deus de do seu povo. Com certeza não era isso o que Jerônimo tinha em mente, alguém criou esse mito e ele se propagou.

Então entenda o seguinte, até época de Jerônimo ninguém chamava o diabo de Lúcifer. Jerônimo jamais teve a intenção de dar este nome ao diabo, até porque, ele jamais atribuiria o mesmo nome "lúcifer" a Jesus.

Com isso em mente, entenda que afirmar que Jesus e o diabo são a mesma pessoa, por causa do aparecimento desta mesma palavra que aparece no AT e no NT é um erro grave!! Para começar a profecia poética de Isaías 14:12 é historicamente aplicada em relação ao rei da Babilônia daquela época. Embora a passagem de Isaías 14:12 se refira a queda espiritual de Satanás ela é, antes de tudo, uma "interpretação", não quer dizer que realmente seja exatamente o que tenha ocorrido, porque ela é uma passagem isolada, não outra que corrobore com ela.

Mesmo que se considere que a passagem de Isaías se refira a queda espiritual  de satanás, como já vimos, "lúcifer" é uma palavra que surgiu de uma tradução, centenas de anos depois do livro de Isaías ter sido escrito, e não é nome próprio, logo não é o nome do diabo porque, se fosse, Jerônimo teria que ser incoerente ou louco para atribuir a mesma palavra a Jesus, a quem serviu.

O texto acima foi extraído do meu livro Doutrinas Intrigantes e  foi editado para não ficar muito extenso.


Se desejar deixe o seu comentário ou entre em contato comigo pelo e-mail: dijho.dijho@hotmail.com